[email protected] uxxZud)RfL@T2!DAOQGuN)er
Categorias

Blog: Tirando o máximo proveito das Inteligências Artificiais

Partindo apenas de um esboço, as inteligências artificiais são capazes de transformar simples anotações em um texto muito bem organizado e compreensível. Até parece mágica!

Ao invés de passar horas tentando estruturar suas ideias, as IAs fazem isso em questão de segundos, proporcionando mais tempo para você se concentrar em outras tarefas importantes.

Se pararmos pra pensar, há mais do que apenas conveniência envolvida. Observar seu esboço se transformar em um texto rico e completo, também oferece uma oportunidade única para reflexão.

Ao analisar como as IAs organizam suas ideias, você pode ganhar novas perspectivas sobre seu próprio processo de pensamento.

A seguir, te explico um pouco melhor os tipos de inteligências artificiais, suas últimas tendências e te apresento uma curadoria que pode ser de grande utilidade no dia a dia.

Não existe inteligência artificial, existem inteligências artificiais

Não se trata apenas uma, o leque é amplo! Elas podem ser classificadas de diferentes maneiras, dependendo dos critérios utilizados. A duas classificações mais comuns são: 1 – por capacidade e funcionalidade e 2 – por abordagem técnica.

  1. Por capacidade e funcionalidade:
  • Inteligência Artificial Fraca ou Inteligência Artificial Limitada (ANI): É o tipo mais comum de IA atualmente, focada em realizar tarefas específicas com alto nível de proficiência. Exemplos incluem: Reconhecimento facial em smartphones, Tradução automática de idiomas e Carros autônomos em um ambiente controlado.
  • Inteligência Artificial Geral (AGI): Também conhecida como “IA forte”, a AGI ainda não existe, mas busca alcançar um nível de inteligência equivalente ao humano, capaz de realizar qualquer tarefa intelectual.
  • Superinteligência Artificial (ASI): Teórica, a ASI superaria a inteligência humana em todos os aspectos, incluindo criatividade, resolução de problemas e aprendizado.

2. Por abordagem técnica:

    • Aprendizado de Máquina (Machine Learning): A IA aprende com dados, sem ser explicitamente programada, buscando padrões e fazendo previsões.
    • Aprendizagem Supervisionada: Possui um conjunto de dados rotulados, onde a IA aprende a mapear entradas para saídas.
    • Aprendizagem Não Supervisionada: A IA identifica padrões em dados não rotulados, sem instruções prévias.
    • Aprendizagem por Reforço: A IA aprende por tentativa e erro, buscando maximizar recompensas em um ambiente.
    • Redes Neurais Artificiais: Inspiradas no cérebro humano, as redes neurais artificiais processam informações através de camadas interconectadas de neurônios artificiais.
    • Processamento de Linguagem Natural (NLP): Permite que a IA compreenda e gere linguagem humana, como tradução automática, chatbots e reconhecimento de voz.

    Pense no que virá no futuro, mas crie agora

    Acredito, fortemente, que enquanto profissionais, devemos ser proativos e visionários, mas ao mesmo tempo pragmáticos e focados na ação.

    Imaginar como será o futuro não deve nos impedir de prototipar e testar ideias rapidamente no presente. Precisamos nos atentar sempre para o timing das coisas. Em um mundo corporativo de constantes mudanças, a agilidade e a ação se tornam habilidades cruciais para o sucesso.

    Leia também: Como usar a inteligência artificial para melhorar resultados


    As últimas tendências em inteligências artificiais

    Posso citar três, são elas:

    • As IAs multimodais, que combinam diferentes tipos de dados, como texto, imagem e áudio, para criar experiências incrivelmente realistas e envolventes.
    • Os dados sintéticos, que estão revolucionando a forma como treinamos as IAs, gerando informações simuladas que ampliam drasticamente a capacidade de aprendizado das máquinas.
    • Os gêmeos digitais, que são réplicas virtuais de objetos, processos e até mesmo pessoas, e permitem testes, simulações e aprimoramentos sem limites!

    Tenha sempre em mãos uma curadoria de inteligências artificiais!

    Uma curadoria das melhores ferramentas sobre IA pode nos poupar um tempo significativo. Abaixo, listei algumas ferramentas pra você:

    As 3 melhores ferramentas de IA para gerar imagens

    • Midjourney: A queridinha do momento! Gera imagens surreais e criativas com comandos simples. Um verdadeiro portal para a imaginação;
    • ChatGPT/Dalle: Muito fácil de usar mas as imagens não são realistas e tem muita censura;
    • Leonardo AI: Cria imagens realistas e artísticas com base em texto. Mas não é tão fácil de usar.

    As 3 melhores ferramentas de IA para gerar textos

    • ChatGPT, apoiado pelo Microsoft que busca estabelecê-lo como líder em produção de textos consistentes;
    • Gemini (antes Bard) do Google, especializado em incorporar informações atualizadas da internet em seus textos;
    • Claude da Amazon, que está discretamente se consolidando como um concorrente de peso nesse cenário.

    As 3 melhores ferramentas de IA para gerar vídeos

    • Vidiofy: é um software que transforma conteúdo escrito em vídeos cativantes para aumentar a presença de marcas nas mídias sociais. Personalizável e eficiente.
    • Heygen: avatares personalizáveis e produção rápida em minutos. Fácil de usar, porém requer conexão com a internet. Aplicações em marketing, treinamento, vendas e comunicação interna.
    • Artflow: é uma ferramenta de criação de histórias animadas com personagens originais e recursos gerados por IAs. Suporta vários idiomas e oferece funcionalidades avançadas, como Portraits 2.0 e Novas Imagens. Pode ser usada para marketing de conteúdo, treinamento e criação de entretenimento. Possui versão gratuita com algumas restrições.

    Leia também: O meu guia de IAs

    A autonomia intelectual deve ser preservada

    Estive recentemente no SXSW e muito foi falado sobre o quanto é crucial entendermos que não podemos depender inteiramente das IAs, renunciando nossa habilidade de organizar pensamentos de forma independente.

    O futuro da inteligência talvez esteja bem aí: aproveitar a eficiência da IA, sem deixar de preservar nossa autonomia intelectual. Um bom desafio, né?

    Leia também: Olhos abertos para o futuro: principais insights do SXSW 2024

    Por Miguel Lannes Fernandes, Inventor Digital e CTO da Witseed

    Gostou?
    Compartilhe!

    Posts relacionados

    Inscreva-se em
    nossa Newsletter

    Fique por dentro do nossos conteúdos!