[email protected] uxxZud)RfL@T2!DAOQGuN)er
Categorias

Blog: Tudo o que um aprendiz autodirigido precisa saber

Vivemos num contexto de rápidas mudanças provocadas pela transformação digital e que impactam na nossa vida e carreira.São muitas as atualizações e novas maneiras de realizar as mesmas funções de formas mais precisas e ágeis. Por isso, é preciso se manter atualizado, o que está bem relacionado com o conceito de aprendizagem autodirigida.

As organizações continuam investindo no desenvolvimento de seus colaboradores e cada vez fomentam a importância do funcionário ser o protagonista de sua própria carreira e buscar seu autodesenvolvimento constante para manter sua empregabilidade.

A Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD) divulgou que somente em 2022, houve um aumento de 34% em treinamento e desenvolvimento (T&D).

Um aprendiz autodirigido que busca o aperfeiçoamento constante sai na frente, pois assume o protagonismo da própria carreira.

Para sobreviver ao mercado de trabalho é necessário que o profissional tenha características como flexibilidade, adaptabilidade e proatividade em aprender o novo e entregar os melhores resultados.

Mas, você deve estar se perguntando como ser um aprendiz autodirigido? Como desenvolver essa aprendizagem contínua e fazer com que ela se torne algo natural em nossa vida? É sobre isso que vamos falar aqui no artigo. Continue acompanhando e descubra tudo sobre esse tema. Aproveite a leitura!


Aprendizagem autodirigida: de onde veio o conceito?

O conceito de aprendizagem autodirigida nasceu a partir da década de 1970. Quem o criou foi o educador, Iam Cunningham, que obteve um PhD em Gestão da Aprendizagem na Universidade de Lancaster.

Porém, o termo só se popularizou depois, com Blake Boles. que estudou astrofísica, mas se dedicou à ciência da educação e desenvolveu o seu próprio método de aprendizagem autodirigida.

Boles é autor do livro The Art of Self-Directed Learning: 23 Tips for Giving Yourself an Unconventional Education, uma publicação que reúne 23 histórias. O autor narra a trajetória dessas pessoas que optaram por um caminho alternativo de aprendizado, que nunca quiseram parar de aprender e conquistaram bons resultados com isso.

A obra já foi traduzida para o português pelo escritor e educador Alex Bretas e se chama “A Arte da Aprendizagem Autordirigida”.



Lifelong Learning e aprendizado autodirigido: qual a relação?

O principal norteador da aprendizagem autodirigida deve ser o conceito de lifelong learning. Se você ainda não sabe sobre o assunto, vamos te explicar melhor. Traduzindo do inglês para o português, o termo quer dizer “aprendizado ao longo da vida”.

Ele traz à tona, a ideia de que a educação formal não é mais suficiente. Isso quer dizer, não basta a pessoa frequentar somente o Ensino Fundamental, Médio e Superior e achar que isso suprirá as necessidades de conhecimento. Hoje, fazer isso é o básico do básico.

Atualmente, o acesso ao conhecimento é muito mais democrático e facilitado. A questão é que aprender online não é o futuro e sim uma realidade. Para se ter uma ideia, o mercado de e-learning deve alcançar o valor de US$ 305 bilhões até 2025. A informação é do Global Industry Analysts.

O profissional precisa aproveitar isso a seu favor. São milhares de conteúdos de qualidade que podem ser acessados a qualquer momento na web, opções de diversos cursos e eventos online que permitem o aprendizado contínuo com foco naquilo que importa para área que atua.

Além disso, há aplicativos que permitem aprender um novo idioma, por exemplo, exigindo pouco tempo por dia. Sem contar as diversas redes que permitem o networking e troca de experiências entre os profissionais.

Portanto, levar o lifelong learning para sua vida não é complexo. Fazendo um gerenciamento de tempo eficaz, entendendo as suas prioridades e focando no que é interessante para sua carreira, é possível ter uma aprendizagem autodirigida.


Muito além das habilidades técnicas

É importante ressaltar também que quando falamos desse aprendizado contínuo não estamos englobando apenas as habilidades técnicas, inerentes em como realizar um trabalho específico.

Hoje, os profissionais precisam ir além e também desenvolver as habilidades comportamentais, as famosas Soft skills.

Portanto, é importante não esquecer de aprimorar habilidades como inteligência emocional, comunicação assertiva, gestão de conflitos, influência, entre outras.

Não fique para trás. Confira nossas dicas no artigo: O que fazer para se manter atualizado quando o assunto é tecnologia.



Sete comportamentos necessários para desenvolver a aprendizagem autodirigida


Para introduzir a aprendizagem autodirigida em sua vida é importante desenvolver algumas atitudes, que faz com que a construção do seu conhecimento seja contínua.

Confira sete comportamentos e seja um aprendiz autodirigido, elevando sua carreira profissional a outro nível.

1 – Tenha a mentalidade do “tudo é convite”

O aprendiz autodirigido, geralmente, tem uma característica que o ajuda muito: “tudo é convite”. Ou seja, todas as oportunidades podem ser encaradas como aprendizado. Essa mentalidade faz com que ele seja impulsionado pelos desafios e veja tudo com uma chance de desenvolvimento e aprimoramento de habilidades.

Portanto, para praticar a aprendizagem autodirigida sempre tenha a mente aberta para novas ideias e perspectivas, se permitindo inovar.

Faça com que cada situação seja um convite para aprender e crescer mais. Não se limite e entenda que nunca se sabe tudo e sempre pode haver uma nova lição.

Com isso, o aprendizado se torna mais leve e natural e fica mais fácil lidar com os desafios do dia a dia.

É importante mencionar que esse comportamento não precisa ser somente na vida profissional. Muitas situações diárias da vida pessoal podem possibilitar novos insights e ideias que serão válidas para a sua carreira.

2 – Ressignifique o erro e lide com o aprendizado de forma mais leve

Errar é algo considerado mais uma oportunidade para o aprendiz autodirigido. Não veja os erros cometidos como fracassos, deixando com que isso te desestabilize.

Ao contrário, veja isso como um impulsionador de crescimento e aprimoramento. Desse aprendizado de pequenas falhas pode-se tirar grandes lições.

Quando errar ou se deparar com uma dificuldade, busque entender como aprender com aquilo e peça ajuda. Em outra oportunidade semelhante já poderá ter uma noção melhor de qual conduta tomar. Isso te ajudará a ter mais experiência e agir com mais sabedoria em outra situação.

3 – Desenvolva a habilidade de fazer perguntas

Um grande limitador do aprendizado pode ser o receio ou a vergonha de questionar. Seja em um curso, evento ou qualquer outra situação, se há dúvidas, é preciso fazer perguntas. Ser curioso pode te ajudar a ter um aprendizado muito mais amplo.

É frustrante buscar um aprendizado e sair com dúvidas. Portanto, não se limite. Questione até que o aprendizado esteja 100% claro para você.

Além de fazer perguntas, é importante saber elaborá-las. Perguntas certas e concisas podem fazer com quem vai responder transmita melhor o conhecimento, além de gerar debates mais enriquecedores.

4 – Diversifique suas fontes de aprendizagem

Os cursos e pessoas consideradas mestres na sua área são muito importantes para o crescimento da aprendizagem. Mas é essencial não depender somente dessas fontes de conhecimento.

Assim, para a aprendizagem autodirigida, um dos grandes diferenciais é ser protagonista nesta construção e explorar todas as formas de aprendizado.

Leia artigos, livros, ouça podcasts, siga páginas nas redes sociais que publicam conteúdos do seu interesse, baixe aplicativos. Enfim, busque outras maneiras de construir o seu aprendizado. Opções que podem, além de te ajudar a fixar, ainda mais, aquilo que aprendeu, também fazem com que a busca pelo conhecimento se torne mais dinâmica e prazerosa.

Ser autodidata pode ser um pouco complicado em meio a uma rotina agitada. Mas lembre-se de reservar um espaço na agenda para aprender todos os dias, seja dedicando a aprender mais sobre algo que já sabe ou ter um conhecimento totalmente novo. Sua criatividade será outra após manter uma constância nesse planejamento.

5 – Tenha otimismo e adote o mindset de crescimento

É importante que na jornada de se tornar um aprendiz autodirigido você não perca o otimismo. Muitas vezes nos deixamos desanimar pelas dificuldades e acabamos por interromper alguns projetos.

É preciso ter em mente que o aprendizado é gradual e deve ser contínuo para então mostrar resultados. Não se deixe levar pelo imediatismo de achar que deve aprender algo de um dia para o outro. Mantenha o otimismo.

Para isso, crie pequenas metas, antes de visualizar a meta maior. Assim, é mais fácil de celebrar essas conquistas menores, não perdendo o interesse por aquilo.

É intrínseco do ser humano ser motivado pelos ganhos. O importante é focar e acreditar sempre no seu potencial.

6 – Não menospreze a importância do senso crítico

Na era digital, o acesso a tantas informações tem prós e contras. Por um lado, se o acesso ao conhecimento ficou muito mais democrático, por outro ficou duvidoso.

Qualquer pessoa pode publicar qualquer coisa em uma plataforma e “viralizar”, chegando a milhões de visualizações. Porém, pode ser que aquele determinado conteúdo seja uma informação errônea.

Por isso, ao construir seu aprendizado crie o hábito de checar a veracidade de informações, a reputação daquela fonte. Tenha sempre senso crítico para entender se realmente aquilo que teve acesso é uma verdade.

Além disso, ao construir sua jornada tenha senso crítico em outros locais, fora do digital também. Vá além, argumente e busque acrescentar outras fontes quando for conveniente. Isso pode ser bastante valioso para você se aprofundar ainda mais sobre o tema que está estudando.

7 – Tenha uma atitude altruísta devolvendo ao mundo o que aprendeu

Compartilhar conhecimento também é crescer. Foque em ter uma atitude altruísta e não guarde para si tudo que aprendeu. Encontre maneiras de compartilhar tudo que desenvolveu, como se quisesse devolver ao mundo. É sempre legal deixar um legado, fazendo com que as pessoas se lembrem positivamente de você.

Com isso, você contribui de forma positiva para a sociedade em que vive e também se dá a oportunidade de aprender ainda mais.

Dos feedbacks que pode receber de outras pessoas que estão aprendendo podem surgir debates interessantes que farão ter mais domínio sobre aquele assunto, expandindo o seu ponto de vista.



Tem uma empresa? Confira como estimular a aprendizagem autodirigida

Estimular aprendizes autodirigidos em uma empresa deve ser encarado com um investimento. Quanto mais atualizado e capacitado o colaborador estiver, mais poderá contribuir para bons resultados e crescimento da organização.

Por isso, é interessante que a empresa crie uma cultura de aprendizagem contínua, dando liberdade e autonomia para o time, pensando na retenção desses talentos. Pessoas com sede de aprendizado e crescimento são movidas a desafios.

Confira algumas dicas de como estimular a aprendizagem autodirigida dentro da sua empresa:

Desenvolva uma cultura de aprendizagem

Desenvolva uma cultura de aprendizagem na qual o aprendizado faça parte do dia a dia das pessoas, que as pessoas tenham a permissão de ter espaços nas agendas para aprenderem, crie comunidades de aprendizagens para fomentar as trocas de experiências, de melhores práticas e incentive práticas de aprendizagem informais.

Fortaleça a área de T&D para buscar novas tendências e metodologias que facilitem a transferência do aprendizado para a prática. Busque parceria com instituições de ensino de qualidade para garantir uma boa curadoria de conteúdos.

Dê autonomia a seus colaboradores

Não adianta estimular o seu colaborador para ser um lifelong learning e não dar autonomia a ele para expor suas ideias e colocar em prática seus novos aprendizados. Busque criar uma cultura organizacional onde todos são ouvidos e as decisões são criadas em conjunto.

Realize brainstorms constantes e encoraje a inovação

Busque sempre realizar reuniões com certa frequência para que, juntos, os times internos pensem em novas soluções.

Várias cabeças pensando juntas podem render boas ideias. Além disso, realize atividades que incentivem as inovações dentro da empresa, seja por meio de dinâmicas ou outras ações em que os colaboradores possam exercitar a criatividade e inovar.

A partir disso, muitos se sentirão estimulados a aprender mais e mostrar resultados.


Como o grupo Algar incentiva a aprendizagem contínua

O grupo Algar tem uma cultura de aprendizagem contínua em seu DNA. Aqui, os associados, como são chamados nossos colaboradores, são incentivados a crescer diariamente. Autonomia, protagonismo e responsabilidade na transferência de conhecimento fazem parte da nossa rotina.

Nós sabemos também que a aprendizagem está em qualquer lugar e com isso, há diversas oportunidades de crescimento. Entendemos que aprender é um compromisso individual e coletivo.

Todos ensinam e aprendem na Algar. Acreditamos em relações que proporcionam confiança e troca. Assim, aprendemos para hoje e para amanhã.

Todos esses fatores estão alinhados com os nossos atributos: somos um Grupo confiável, ágil, inovador e perene. Assim, conquistamos a confiança dos nossos mais de 3 milhões de clientes, fazendo com que eles prosperem.

Dentro da Algar, temos a Universidade de Negócios da Algar (UniAlgar). A instituição é uma universidade de negócios corporativos estratégicos do Grupo, que apoia a competitividade das empresas Algar por meio da educação e do fomento da cultura de aprendizagem.

Nela, há estímulo à experimentação e criatividade em todos os cursos e treinamentos. Além da UniAlgar, também utilizamos metodologias ágeis, brainstormings, trocas de experiências, e buscamos com que o time atue de forma rápida e assertiva diante da resolução de problemas.

Para saber um pouco mais, dê o play no AlgarCast sobre Cultura de Aprendizagem, protagonismo de carreira e desenvolvimento profissional.

Por Auzean Lucena, Analista Corporativo de Gente da UniAlgar.

Gostou?
Compartilhe!

Posts relacionados

Inscreva-se em
nossa Newsletter

Fique por dentro do nossos conteúdos!