Categorias

Gestão de pessoas: sem engajamento, a tecnologia não resolve

A gestão de talentos é uma área que, tipicamente, recebe contribuições de todos os lados em uma empresa. É preciso promover um colaborador? Estabelecer um orçamento para treinamentos? Escolher uma ação ou política para investir? Sempre há alguém (ou vários alguéns) com uma resposta.

Quem lida com gente sempre tem uma opinião sobre o melhor caminho a seguir. O porém está na origem dessas convicções. Em geral, elas se baseiam mais no “achismo” do que na análise objetiva dos fatos. Particularmente, gosto de tomar decisões a partir de indicadores e resultados, especialmente na gestão de pessoas. E as ferramentas digitais, por permitirem o acompanhamento sistemático dessas informações, são grandes aliadas.

Por isso, tantas empresas estão fazendo um esforço de transformação digital na gestão de pessoas. Elas adotam, em média, sete sistemas diferentes para realizar todo tipo de tarefas nesta área – desde as mais burocráticas, como rodar a folha de pagamento, até as mais complexas, como recrutar, acompanhar a performance dos colaboradores ou organizar os fluxos de sucessão. No ano passado, as grandes empresas gastaram quase 180 dólares por colaborador com tecnologias para recursos humanos, conforme levantamento da Sierra-Cedar com mais de 1.600 participantes.

O investimento em tecnologia cresce a cada ano, mas não é suficiente para garantir a eficiência e a fluidez dos processos de gestão de pessoas. Sistemas sofisticados servem para pouca coisa sem o engajamento dos envolvidos, especialmente das lideranças. Como, então, assegurar o compromisso das pessoas em participar do processo? Como fazer de recursos humanos uma área menos operacional e realmente mais estratégica?

A resposta: simplicidade

Neste ano, iniciamos um projeto ambicioso de modernização da área de Gente do grupo Algar. Uma parte importante dele é a digitalização gradual de todas as ferramentas relacionadas a gente e gestão. Em alguns meses, os líderes das nossas empresas terão acesso a todas as informações necessárias para a tomada de decisão sobre suas equipes na palma da mão, com poucos cliques. Atividades administrativas e avaliação de performance já foram integradas a um novo sistema. Os dados sobre as práticas de desenvolvimento e treinamentos serão os próximos.

Sempre soubemos que não bastava ter um novo sistema. Nosso objetivo era que a liderança de cada área (e não apenas a de Gente) assumisse a responsabilidade pela gestão das suas pessoas. Para isso, precisávamos de mais – e no caso, de mais simplicidade. Revisamos de 60 para 20 as políticas de talentos humanos. Procuramos tornar os processos mais diretos e previsíveis quanto fosse possível. E principalmente, trabalhamos para que cada um soubesse exatamente o que precisa fazer para ajudar a engrenagem a rodar sem sobressaltos.

Jornada da Gente

Tendo a simplicidade como lema, elaboramos uma ferramenta que batizamos de Jornada da Gente. Mapeamos os processos de RH que obrigatoriamente precisam acontecer no ano e estudamos a melhor maneira de distribuí-los ao longo dos meses. A partir disso, criamos uma espécie de “calendário” que passou a servir de guia para todos os gestores das empresas do grupo Algar. Com a Jornada da Gente, os líderes passaram a saber exatamente que tarefas devem realizar – e principalmente, quando.

Todos sabem que janeiro e fevereiro devem ser dedicados à avaliação de performance dos associados (como chamamos os colaboradores) e que os feedbacks acontecerão em maio e junho. Todos sabem que a apuração das metas ocorrerá em julho e agosto, que a evolução dos planos de desenvolvimento individual será avaliada em setembro e que as novas metas serão contratadas em dezembro.

A visibilidade dessa cadência de processos reduziu o retrabalho e o desperdício causado por atividades começadas, mas não finalizadas. Também tem nos ajudado a cumprir nosso planejamento, agora apoiado por um sistema robusto em que todos os indicadores podem ser monitorados a qualquer momento.

A tecnologia permite às empresas dar autonomia aos líderes na gestão de pessoas. Mas o engajamento deles se conquista de outras maneiras. Algumas delas são tão sofisticadamente simples quanto a Jornada da Gente.

Escrito por Eliane Garcia Melgaço – Vice-Presidente de Gente do Grupo Algar

Gostou?
Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Posts relacionados

Perdi o emprego, e agora?

Ser demitido não é fácil pra ninguém, porém a longo prazo muitas pessoas acabam descobrindo que a demissão pode ser ter sido positivo para carreira.

Inscreva-se em
nossa Newsletter

Fique por dentro do nossos conteúdos!