Gestão de Riscos

Gestão de Riscos

GRI G4 14 | 45 | 46 | 47
Identificação,
avaliação e
mitigação

Os riscos são gerenciados sob um
ambiente de decisões colegiadas,
seguindo as diretrizes do Comitê de
Auditoria e Gestão de Riscos.

Lidar com incertezas econômicas, mudanças climáticas e volatilidade dos mercados é parte inerente do setor de agronegócios no Brasil e no mundo. A Gestão de Riscos deve auxiliar o processo de decisão de forma a ter maior controle sobre perdas potenciais e tornar o desempenho dos negócios sustentável. O processo segue as etapas de identificação, avaliação e mitigação dos fatores internos e externos capazes de comprometer os objetivos e estratégias da Companhia.

A Algar Agro gerencia os riscos sob um ambiente de decisões colegiadas, seguindo as diretrizes do Comitê de Auditoria e Gestão de Risco (GR), estabelecidas na Política Corporativa de Gestão de Riscos aprovada pelo Conselho de Administração. Cada risco fica sob a responsabilidade de um Diretor, a quem cabe gerir o risco utilizando metodologias, modelos de mensuração e controles específicos, coordenando o melhor conjunto de ações de mitigação com as demais áreas.


Quadro de Responsabilidades

Conselho

  • Fornecer a visão sobre o grau de exposição a riscos do Grupo
  • Aprovar políticas, mapas e limites de riscos

Comitê de Auditoria e GR

  • Auxiliar o Conselho nos assuntos de gestão de riscos
  • Avaliar a efetividade do modelo de GR

Holding

  • Propor plano anual
  • Coordenar os trabalhos de GR no Grupo
  • Julgar a adequação dos limites de riscos propostos pelas empresas
  • Propor modelagens e indicadores
  • Consolidar as informações e fornecer sua visão ao Comitê de Auditoria e GR

Empresas*

  • Identificação dos fatores de risco
  • Propor limites e faixas de tolerância
  • Implantar as ações para adequação das exposições aos limites
  • Reportar os desvios e tendências de ocorrência de riscos à Holding
  • Sugerir priorizações de riscos, ações e alocação de recursos
* Diretoria Executiva e Proprietário dos Riscos

Mapa de Riscos

Estratégico

Governança
  • Relacionamento com Acionistas e Credores
  • Sucessão de Acionistas
  • Comunicação e Relatórios
  • Relacionamento Institucional
Estratégia
  • Cenário Político e Econômico
  • Concorrência
  • Imagem
  • Decisão de Investimentos
  • Inovação

Financeiro

Mercado
  • Preço das Commodities
  • Câmbio
  • Taxa de Juros
Liquidez
  • Acesso a Capital
  • Fluxo de Caixa
  • Aceleração de Dívida
Crédito
  • Inadimplência
  • Concentração de Receita

Operações

Gestão
  • Planejamento e Orçamento
  • Indicadores de Performance
  • Execução de Projetos
  • Terceirização
Processos
  • Capacidade e Eficiência Operacional
  • Continuidade da Operação
  • Obsolescência de Ativos
  • Logística
TI
  • Acesso e Confidencial
  • Disponibilidade e Desempenho
  • Integridade Informações
Pessoas
  • Atração e Retenção
  • Desenvolvimento
  • Sucessão de Executivos
Meio Ambiente
  • Intempéries Climáticas
  • Recursos Naturais

Conformidade

Leis e Normas
  • Ambiental
  • Trabalhista/Saúde e Segurança
  • Tributário/Fiscal
  • Cível
  • Mercado de Capitais

Riscos Estratégicos

Governança

Risco relacionado à sustentabilidade e perenidade do negócio, em função da incapacidade de estabelecer regras de convivência, sucessão de acionistas, administradores, bem como relacionamento institucional, levando a erros de direcionamento da Companhia e redução no seu valor de mercado. As iniciativas de gerenciamento deste risco estão detalhadas na seção Governança.

Estratégia

Risco relacionado ao processo de formulação e o julgamento das premissas que sustentem o plano de longo prazo e investimentos. Anualmente, projetamos, avaliamos e discutimos cenários considerando aspectos de mudança de governo, perspectivas macroeconômicas para o agronegócio, concorrência e os fatores de risco que deles decorrem para as decisões de investimento. Após avaliarmos os cenários definimos o plano estratégico. As reuniões são previamente definidas em calendário temático, como parte do ciclo anual de planejamento e controle.


Riscos Financeiros

Mercado

Definido pela possibilidade de perdas financeiras em função da oscilação dos preços de commodities, moedas e taxas de juros, bem como descasamentos de prazos entre a venda dos estoques de soja, farelo e óleo e o vencimento dos respectivos instrumentos de proteção. As posições de hedge são ajustadas diariamente de acordo com os limites de exposição aprovados, com o objetivo de proteger os ativos e passivos da volatilidade de preços. Isso inclui contratos futuros, a termo e opções de compra e venda de commodities na Chicago Board of Trade (CBOT). Para o risco de volatilidade cambial, a Companhia contrata Non Deliverable Forwards (NDFs) e swaps de moeda. As técnicas de avaliação da exposição incluem análise de sensibilidade, stress testing e o alinhamento da exposição aos limites previamente definidos em comitês internos.

Liquidez

Representado pela incapacidade da Empresa em honrar suas obrigações, com impacto em suas operações diárias ou perdas significativas por não conseguir captar recursos no mercado financeiro levando, portanto, maior assunção de risco. O risco de liquidez é controlado pela área de Tesouraria, pelo acompanhamento diário do nível de caixa e programação dos compromissos financeiros assumidos. As instituições financeiras com as quais a Empresa pode manter suas operações e os respectivos limites são definidos na Política de Aplicações Financeiras. A Empresa oferece garantias como penhor da soja e aval para os empréstimos de capital de giro e Adiantamentos de Contrato de Câmbio (ACCs).

Crédito

É a possibilidade de ocorrência de perdas pelo não cumprimento pela contraparte das suas respectivas obrigações nos termos contratados, falhas na avaliação de limites, garantias e avais e que por consequência podem trazer custos com a renegociação ou recuperação de créditos. Na Algar Agro há duas modalidades de crédito: (i) antecipação de recursos a produtores para financiamento da safra e (ii) venda de produtos a prazo. Em ambos os casos, limites são definidos conforme o grau de risco. O gerenciamento do risco de crédito para produtores começa pela avaliação da capacidade de produção e entrega da soja e a disponibilidade de garantias e avais além do penhor agrícola (CPR). Além disso, gerenciamos as fixações de preço como forma de garantir a liquidação dos recursos financeiros concedidos a cada produtor. Já a concessão de crédito para a venda a prazo de produtos é fundamentada na análise, classificação e avaliação de crédito ante o mercado.


Riscos de Operações

Gestão

Risco decorrente da falta ou do monitoramento inadequado do desempenho da Empresa, falha na execução de projetos estratégicos, no que diz respeito a metas e resultados projetados, prazos e sua aderência ao planejamento estratégico. Com o intuito de assegurar a execução da estratégia, adotamos a metodologia de gestão Balanced ScoreCard (BSC). A ferramenta possibilita a discussão conjunta pelos gestores do desempenho, alinhamento das metas e os objetivos estratégicos aprovados, assim como propor novos direcionamentos quando for necessário. Outra prática de gestão utilizada é o Project Management Office (PMO), cuja função é garantir a aderência dos projetos à estratégia do negócio e a disciplina de execução. Periodicamente, os projetos são avaliados e, em seguida, são elaboradas recomendações para corrigir os desvios.

Processos

Risco relacionado à disponibilidade operacional, decorrente de dimensionamento inadequado, obsolescência de ativos, instalações, processos, fluxo logístico, gerando perdas, interrupções ou comprometimento da qualidade de produtos. A gestão de riscos operacionais está focada na eficiência dos processos e redução de perdas em todo o fluxo da soja. Os controles relacionados à recepção, processamento, armazenagem, transporte, distribuição e comercialização de soja e produtos são realizados, por meio de indicadores-chave, como por exemplo: (i) Pesagem e classificação da soja na entrada e saída das unidades, (ii) índice de perdas no transporte e armazenagem, (iii) nível de rendimento/conversão de soja em farelo e óleo, (iv) nível de consumo de insumos por tonelada processada, (v) índice de paradas não programadas da fábrica dentre outros. Na área logística utilizamos critérios rígidos para a contratação de transportadoras e armazéns de terceiros, para os quais adquirimos seguros para eventuais extravios e danos aos estoques de soja.

Tecnologia da Informação

Risco de acesso não autorizado a dados e informações da Companhia, decorrente de vulnerabilidades de controles de acesso lógico, falta ou violação de políticas e termos de responsabilidade, acarretando ataques externos, paradas no ambiente de TI, alteração ou divulgação indevida de informações. Com o objetivo de zelar pela segurança das informações, monitoramos e disponibilizamos para os associados à Política de Segurança e Termos de Responsabilidade para uso de informações, os quais orientam sobre a utilização de e-mails, internet, sistemas e rede corporativa. Anualmente os processos e controles de acesso lógico são auditados e testados pela Auditoria Externa e Auditoria Interna da Holding.

Pessoas

Risco decorrente da dificuldade na atração e retenção de talentos com a qualificação necessária, em função de fatores externos e internos, como concorrência e clima organizacional, podendo comprometer os objetivos da Empresa. Os riscos de atração e retenção de pessoas, desenvolvimento e sucessão de executivos são monitorados por meio dos indicadores de turnover e pela Pesquisa de Clima e Engajamento, por meio da qual também é medida a efetividade das ações para melhoria do ambiente de trabalho, satisfação e retenção dos associados. Caracterizados por atuar em um setor que requer profissionais com habilidades e competências específicas, atualizamos periodicamente o plano de remuneração e benefícios com vista a manter a atratividade da empresa compatível com o mercado.

Meio Ambiente

Danos causados por intempéries climáticas severas ou escassez de recursos naturais que possam causar prejuízos ao fornecimento de matéria-prima e demais insumos. Estamos vivenciando um momento de mudanças acentuadas dos fatores climáticos e a redução das reservas hídricas pelo Brasil e pelo mundo, o que impacta diretamente a atividade agrária. Temos monitorado estas condições nas regiões onde atuamos com o objetivo de antecipar possíveis impactos na cadeia de fornecimento de soja e, a partir das áreas de produção, traçar estratégias. Devido à atuação nacional, buscamos por meio da diversificação geográfica, minimizar em parte este impacto e ter acesso a novas áreas de originação.


Riscos de Conformidade

Leis e Normas

Não conformidade com leis ambientais, trabalhistas, tributárias e regulatórias, além da falta de boas práticas, poderia expor a Companhia à autuação por órgãos fiscalizadores. A materialização destes eventos poderia gerar penalidades, como multas, perdas com reparação de danos, cessão de lucros e embargo de atividades. A questão ambiental é inerente ao agronegócio, assim, ter boas práticas de gestão socioambiental representa menores riscos. Na segurança alimentar, possuímos a certificação internacional Good Manufacturing Pratices (GMG) para o farelo de soja. Temos ainda um laboratório com profissionais que monitoram continuamente a qualidade da produção. Externamente, instituições credenciadas no Ministério da Agricultura certificam a qualidade do óleo de soja ABC. Em consonância com as leis trabalhistas e fiscais, temos um baixo índice de ações e contingências.