Voltar

Estudantes criam piso que transforma passos em energia elétrica

Trabalho de conclusão de curso foi apresentado no fim de outubro, no Instituto Mauá de Tecnologia.

04 de dezembro de 2017 / Por: Redação

Era para ser um simples trabalho de fim de curso, mas estudantes do curso de Engenharia de Controle e Automação, do Instituto Mauá de Tecnologia, surpreenderam a todos com uma ideia fantástica. Eles criaram um piso sustentável, que transforma a força dos passos das pessoas em energia elétrica

O trabalho de Guilherme Couto Gonçalves, de 23 anos, Maria Eugênia Lagua, 23, Bruna Stuber Menascé, 22, e Gabriel M. Bob, 22 foi apresentado e outubro, mas os estudantes começaram a trabalhar no projeto no início do ano. 

A invenção não deve ficar apenas no âmbito acadêmico, os estudantes criaram uma startup e o projeto já está saindo do papel.

Funcionamento do piso

De acordo com o estudante Guilherme Gonçalves, o sistema transforma o movimento vibratório dos passos em pulsos elétricos pela combinação de sistemas mecânicos e eletrônicos. "Optamos por fazer a peça de madeira, pois o material ajuda a amortecer a força da pisada e otimiza o aproveitamento de sua energia”, contou o estudante em entrevista ao site Catraca Livre.

O protótipo do sistema tem formato hexagonal e fica dentro de uma caixa de madeira. A energia captada com a pisada ficar armazenada em uma bateria. "A princípio, pensamos no produto para ser alocado nos acessos para catracas do metrô ou nas entradas de estádios, lugares em que passa muita gente. Mas ele também pode ser aplicado em ambientes inteiros", disse o estudante.

Uma única pisada no hexágono é capaz de acender 72 pequenas lâmpadas de LED que contornarão os lados da peça, o que representa a produção de uma energia de 4 watts.

A ideia é ótima, agora os estudantes precisam encontrar investidores para viabilizar a construção do piso para ser vendido. De acordo com o estudante, o protótipo poderia ser comercializado por R$ 2 mil, mas o valor do produto deve cair, de acordo com a escala de produção.

Fonte: As coisas mais incríveis do mundo