Voltar

Restaurante em SP aceita bitcoins como pagamento

Na primeira noite da novidade já houve clientes aderindo à nova forma de pagar a conta.

06 de setembro de 2017 / Por: Redação

Aqui, já falamos sobre a blockchain e a nova forma de fazer negócios, mostrando a força das bitcoins. Agora, a pergunta é: será que essa onda irá se espalhar para além dos investidores de risco? Veremos essa criptomoeda ser utilizada como meio de pagamento no varejo comum, assim como os boletos ou cartão de crédito?

Ao que parece, a resposta é “sim”! Em São Paulo, você já pode sair de casa para jantar e pagar a conta sem utilizar dinheiro e nem cartão. Isso é a tecnologia cada vez mais próxima da população.


Tartuferia San Paolo, na Alameda Lorena e Lalo Zanini, empreendedor serial e dono da Tartuferia San Paolo. Fotos retiradas do site Exame.

A Tartuferia San Paolo, restaurante que fica na Alameda Lorena, começou a aceitar a bitcoin. O pagamento é feito por um aplicativo: o cliente scaneia pelo smartphone o QR code da conta, que geralmente dá R$100 por pessoa, e as bitcoins são transferidas automaticamente.

A Tartuferia é especializada em trufas italianas e possui unidades em São Paulo, Recife e Curitiba - em todas elas a bitcoin é aceita.

Segundo Lalo Zanini, sócio do estabelecimento, na mesma noite em anunciaram no perfil do Instagram da Tartuferia essa novidade, já houve clientes pagando com bitcoin.

Como essa solução foi lançada em julho, ainda não há dados sobre quanto isso representou para o faturamento da empresa. A expectativa é que, em 03 meses, 50 clientes usem o serviço de pagamentos.

“Claro que é um mercado ainda restrito, mas também é crescente. Esse diferencial gera um movimento que a pessoa vai, paga, conta para os amigos e gera esse marketing espontâneo”, afirma.

O dinheiro arrecadado por esse sistema é comprado pela startup Coinwise, que desenvolveu e instalou a plataforma no restaurante de São Paulo.

Este não é o primeiro estabelecimento a implantar as bitcoins como pagamento, mas com certeza a Tartuferia pode fazer a diferença nessa nova era.

Fonte: InfoMoney I Exame