Voltar

Para se inspirar: conheça a trajetória de Mauricio Schneider

O empreendedor criou o primeiro jogo de realidade virtual aumentada no Brasil

26 de abril de 2018 / Por: Redação

Quem é empreendedor sabe que há sempre aquele dia em que a chave vira, você fica feliz, otimista, disposto a dar uma reviravolta nos negócios e parece que nada vai te desanimar. Porém, todo empreendedor sabe também que após esse dia de entusiasmo, a maioria dos outros dias parece que tudo vai dar errado, é preciso de muita luta para se manter de pé diante de um mercado extremamente competitivo. Mas, o que fazer quando tudo parece dar errado?

Podemos aprender um pouco com o case do empreendedor Mauricio Schneider. Ele desde cedo sabia que o fracasso faz parte da carreira. Começou a plantar tomates com seu pai aos 21 anos. O negócio ia muito bem até um dia sofreu na pele os efeitos climáticos conhecidos pela maioria dos produtores rurais. Um vendaval destruiu todas as estufas e não havia nada o que fazer. O empreendedor demorou 10 anos para pagar o prejuízo.

Nesse tempo, foi fazer faculdade de administração na AIESEC, uma das maiores organizações de liderança jovem do mundo. Lá, ele foi convidado para trabalhar como trainee na Europa. Quando voltou para o Brasil abriu um negócio de importação de instrumentos musicais.

Quando tudo parecia andar bem, mais uma vez o inesperado aconteceu: os produtos estavam em um estoque no porto Seco quando uma forte chuva invadiu o depósito. Mais uma vez a natureza ia contra os negócios do empreendedor. Foi aí que ele decidiu investir em consultoria. Começou a dar aulas para administradores e gestores. Nessa época, conheceu uma empresa de ilustração que queria crescer e, em 2009, virou sócio investidor da empresa, que entrou para o mercado de games.

A empresa tinha como objetivo criar um projeto autoral, que recebeu o nome de o Dodge This! O storyboard foi mandado para as 10 maiores publicadores do mundo. Eles conseguiram parceria com a Chillingo, que ofereceria uma rede de contatos e estratégias para lançar o jogo. A IMGNATION Studios iria produzir o game. Foram três anos para que o Dodge This fosse lançado. Nesse tempo, o empreendedor teve que começar a prestar outros tipos de serviços.

A expectativa era que com o lançamento do jogo a receita começasse a entrar, mas, por conta de muitos bugs, Mauricio Schneider demorou não conseguia ver o retorno do investimento .

Durante todo esse período o empreendedor não pensou em desistir. “Nós tínhamos conseguido nos expor no mercado, fizemos todo o projeto certo, sabíamos que o bug foi causado por um problema de validação da publicadora, não podíamos jogar essa experiência no lixo só porque estávamos frustrados”.

A empresa tinha 8 sócios, mas diante dos problemas, só restaram dois: Mauricio e Orlando. Mauricio iria investir para que a empresa sobrevivesse por mais um ano e Orlando seria o líder do projeto. Não foi uma decisão fácil, mas era preciso diminuir a equipe. “Vamos encolher e vamos acreditar que a gente vai mudar o mundo”, esse era o lema. De uma equipe de 15 pessoas, ficaram apenas a 4 pessoas trabalhando até que o próximo jogo fosse lançado.

Porém, mais uma vez aconteceu o inesperado: a publicadora de games que participou do projeto conectou os empreendedores a Samsung. A proposta era de lançar o mesmo jogo, na versão para o Gear VR, óculos de realidade virtual, que seriam lançados em 2014. Dessa vez iriam receber pelo jogo e pelo menos teriam uma receita entrando na empresa. O negócio foi fechado.

A partir daí a onda ruim passou e tudo começou a dar certo. Quando o jogo foi lançado, a empresa ganhou visibilidade como a primeira a criar um jogo de realidade virtual aumentada.

Veio a oportunidade fazer a versão VR para o game Angry Birds. Nesse mesmo ano, os sócios participaram também do programa de incubação da Game Founders, maior aceleradora de empresas de games do mundo. No início do outro ano, foram acelerados pelo fundo de Venture Capital Boost VC, especialista em realidade virtual e blockchain. Durante um dos eventos do programa, conheceram a HTC que fez um aporte na empresa para um novo jogo a ser lançado.

Tudo isso só aconteceu, pois Maurício e o sócio conseguiram manter a calma e não se deixaram se abater pelas frustrações. Eles acreditaram no potencial da empresa e isso era maior do que qualquer sentimento negativo. Eles continuaram por mas um dia, por mais um e mais outro...

Fonte: Endeavor