Voltar

Gasolina produzida sem petróleo já é realidade

Os 200 litros de combustível limpo foram feitos com CO2 atmosférico e energia solar.

18 de setembro de 2017 / Por: Redação

De mãos dadas com a tecnologia e a favor do meio ambiente, já mudamos a forma de produzir energia, tratar a água, descartar materiais eletrônicos e muito mais. Agora, ao que parece, estamos a um passo de transformar um combustível presente na rotina da população: a gasolina.

Tchau, petróleo! Essa é a proposta de Engenheiros e Pesquisadores da Alemanha e Finlândia, que já produziram os primeiros 200 litros de combustível sintético, extraíndo dióxido de carbono (CO2) atmosférico e usando energia solar.

Chamado Soletair, esse projeto possibilitou a produção de um combustível limpo, feito em uma planta-piloto móvel compactada, que foi encaixada em um container para facilitar o transporte. Ela pode ser usada de forma descentralizada para a produção de gasolina, querosene ou diesel.

"O sucesso da transição energética exige inovações geradas por pesquisas se estendendo dos fundamentos até as aplicações", disse o professor Thomas Hirth, do Instituto de Tecnologia Karlsruhe. "O sucesso do Soletair reflete a importância das redes de pesquisa internacionais que lidam com os desafios globais e desenvolvem soluções aplicáveis."


Sol + CO2 = gasolina, diesel ou querosene. [Imagem:VTT]

De acordo com a equipe responsável, esta é a primeira vez que o processo completo, da energia fotovoltaica e da captura de dióxido de carbono do ar, até a síntese de combustível líquido, mostrou sua viabilidade técnica.

Na primeira campanha, agora concluída, foram gerados cerca de 200 litros. Porém, a planta-piloto é capaz de produzir 80 litros de gasolina por dia. Por ter sido planejada para fornecer mais de uma substância e pela facilidade de transporte, a planta pode ser aplicada em usinas de forma modular. Assim, já está sendo constituída uma empresa para comercializar esses módulos.

DO CO2 À GASOLINA – ENTENDA O PROCESSO

Essa transformação acontece basicamente em 3 etapas. Inicialmente, a unidade de "captura direta do ar" captura o dióxido de carbono do ar em volta. Posteriormente, uma unidade de eletrólise usa a energia solar para produzir hidrogênio. Por fim, o dióxido de carbono e o hidrogênio são primeiro convertidos em gás de síntese reativo a alta temperatura e depois em combustíveis líquidos em um reator químico microestruturado.

Na foto, temos o reator microestruturado, responsável pela última etapa do processo, convertendo gás de síntese em combustíveis líquidos. [Imagem: INERATEC/KIT]

Fonte: Inovação Tecnológica